Ministros da Saúde dos 194 países aprovaram, nesta sexta-feira, o Plano Global de Ação em Vacinação (GVAP, na sigla em inglês), que tem como o objetivo melhorar o acesso da vacina em todas as regiões do mundo e, assim, prevenir milhões de mortes até 2020. As metas foram estabelecidas na 64ª Assembleia Mundial de Saúde, que está sendo promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em Genebra, na Suíça, até este sábado.

O plano foi coordenado pelo Decade of Vaccines Collaboration, um grupo internacional formado por especialistas em vacinação que estudam os benefícios da imunização para a população mundial. De acordo com esses pesquisadores, 20% das crianças no mundo não receberam nenhum conjunto básico de vacinação durante a infância. Eles acreditam que as prioridades estabelecidas podem reduzir a taxa de mortalidade infantil e alcançar as metas estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU), que preveem a redução da mortalidade infantil em dois terços entre 1990 e 2015. “Nós sabemos que as vacinas funcionam para melhorar e salvar vidas. Precisamos urgentemente trabalhar para atingir todas as crianças com todas as vacinas que elas precisam”, diz Chris Elias, um dos especialistas que desenvolveu o plano.

O GVAP tem quatro objetivos principais: o reforço da rotina de imunização para atender às metas de cobertura de vacinação; o aumento do controle dos casos de doenças que podem ser prevenidas com vacina, começando pela erradicação da poliomielite; a introdução de vacinas novas e melhores; e o estímulo à pesquisa e ao desenvolvimento das próximas gerações de vacinas e tecnologias.

Segundo o grupo que apresentou as diretrizes do GVAP, depois da aprovação na assembleia da OMS, o próximo passo será a adoção do plano em níveis regionais e nacionais por meio de uma colaboração entre os especialistas responsáveis pelo plano e os próprios países. Eles pretendem apoiar os países para que eles introduzam vacinas mais eficazes para o combate às principais doenças que ameaçam as crianças. Essa colaboração também vai estabelecer um quadro de monitorização e avaliação das imunizações dos países.

Erradicação — Os ministros presentes na assembleia também aprovaram uma resolução na qual declaram que a poliomielite é um problema de emergência na saúde pública global. O documento afirma que a erradicação da doença é um passo essencial para a proteção das crianças contra as doenças que podem ser prevenidas por vacinas.